Samo Vidic

Enfrentar a onda com Samo Vidic

"Esta é a câmara de que precisa se quiser fotografar um trabalho como este."

Entrar na onda

São quase 02:00 da manhã, seis horas após o início das fotografias, quando um corpulento assistente de câmara esloveno chamado Bor vai ter com a restante equipa e diz: "O Samo vai apanhar a onda!"

Falaremos sobre isso mais tarde, mas primeiro vamos rebobinar um pouco. Qual onda? É abril e estamos nas margens do rio Eisbach em Munique para a história City Surfers da Canon. A ideia por trás da campanha da agência de publicidade J. Walter Thompson encoraja as pessoas a explorarem as maravilhas do seu próprio quintal. Neste local, Samo está a fotografar três dos mais entusiasmantes surfistas de rio do mundo, no meio da cidade, numa onda artificial com a nova EOS-1D X Mark II da Canon.

Fotografar no rio Eisbach em Munique

Quando questionado sobre o que pensava em relação ao rio Eisbach, Samo respondeu:

"Gosto deste lugar. É fantástico estar no meio da cidade. Deve ser excelente na primavera e no verão. Podemos surfar, conviver ou levar os filhos ao parque, fazer um piquenique e ver os surfistas".

Samo faz o rio parecer idílico, e talvez seja num domingo à tarde descontraído. Mas, à noite, numa sessão fotográfica profissional com os minutos contados, não é um cenário fácil. É um caos. Samo, porém, está no seu elemento. O rio Eisbach é um cenário aberto. Outros surfistas e membros do público estão dispersos por toda a parte. Também existe uma experiência de cinema digital a ser filmada para a campanha. Ter tempo para fotografar tudo significa que Samo tem de fotografar fora do dia de sessão atribuído: é como negociar um cavalo num bazar. Ele explica:

"Sou um fotógrafo de desportos de ação, mas também fotografo retratos e estilos de vida. Não estava assustado com a parte da ação. Estava mais preocupado com as fotografias de estilo de vida que precisávamos de fazer, porque o lugar não se encontrava bloqueado a outras pessoas. Sabia que se desocupássemos o espaço durante 20 segundos, teríamos de obter as fotografias nesses 20 segundos".

Aproveitar as oportunidades espontâneas

Neste ponto, Samo está em todo o lado, tirando fotografias que estão na sua lista e descobrindo possibilidades de fotografias totalmente novas. Samo é facilmente reconhecível pelas suas galochas brancas, quando não estão enterradas no rio gelado. Samo é pragmático. Se alguma coisa estiver a funcionar ele persiste, e se não estiver a funcionar, tenta algo totalmente novo. Como Samo diz:

"Decidi fazer duas ou três fotografias ligeiramente diferentes…fotografias que não constavam da lista de fotografias. Gosto realmente de ver as coisas por mim próprio, e quando vejo os ângulos ou movimentos certos, normalmente funcionam bastante bem. Por vezes, é um pouco difícil fotografar o que a equipa criativa estabelece. É necessário falar com eles e se eles não se opuserem, dão o aval. Quando tenho esta liberdade, posso fazer coisas excelentes."

Esta abordagem compensou bastante, como explica:

"Primeiro, o plano era fotografar com a objetiva EF 300mm f/2.8L IS II USM a partir do lado direito do rio. Mas depois decidi ir para o lado esquerdo para tirar algumas fotografias de teste. Decidi ficar lá porque Tao, um dos surfistas, faz alguns saltos excelentes no lado esquerdo."

Foi nesse local que Samo acabou por tirar a fotografia principal. A recetividade de Samo também se estende à forma como trabalha com os seus motivos, mantendo sempre uma ideia clara de toda a história que deseja captar:

"Conversei com os surfistas no início da sessão fotográfica. Mostraram-me algumas das fotografias que tinham tirado antes. Disse-lhes que pretendia obter um surf excelente com movimentos fantásticos, mas que não íamos fotografar para uma revista de surf hardcore, por isso íamos fazer fotografias ligeiramente diferentes. O mais importante para mim foi ver que o surf decorria na cidade e não no meio do oceano."

Energia e atitude

Em relação aos atletas, todos ficaram surpreendidos com a sua atitude e energia. Na opinião de Samo, Tao destacou-se claramente:

"Ele é incrível. Adoraria ter atletas como ele em todas as sessões fotográficas. Não havia absolutamente nada que ele não fizesse. Estava disponível para tudo. Penso que estabelecemos uma relação excelente. Depois de uma conversa rápida de um minuto, ele sabia exatamente o que eu pretendia. Tao é um ótimo rapaz."
Outra surfista, Karina, também causou uma excelente impressão ao nosso fotógrafo:

"Ela fez movimentos, truques e deslocações espetaculares. Parecia tão fácil a partir da ponte. Quando estava a fotografar, à espera do movimento certo, os movimentos dela pareciam tão suaves. Tínhamos a sensação de que ela poderia fazer aquilo durante horas."

Entrar na água

Regressemos a Bor, o assistente de câmara de Samo, a exclamar: "O Samo vai apanhar a onda!"

No espírito da convivência, o nosso fotógrafo não ia pedir aos seus motivos para fazerem algo que ele próprio não estava preparado para experimentar. A rir, Samo afirma:

"Era mais para motivar os restantes membros da minha equipa. Conhecemo-nos uns aos outros há anos e estava a tentar motivá-los há alguns dias antes da sessão. Sabia que ia ser uma tarefa difícil, uma vez que tínhamos muito para fazer nessas cinco ou seis horas, por isso disse que se fizéssemos um excelente trabalho, iria surfar de calças de ganga e botas de borracha."

Em seguida, explicou: "Estava tão aliviado no final por verificar que tudo funcionou tão bem. Era possível ver no meu rosto que estava satisfeito com tudo."

Como pode ver no vídeo, Samo foi fiel à sua palavra. A sorrir, afirma: "Foi engraçado. Tao disse apenas "coloque aqui o pé" e depois começou a empurrar-me. Disse-lhe para esperar, uma vez que os rapazes precisavam de estar prontos para filmar o vídeo, e pedi-lhe mais um minuto. Mas a verdade é que esta é a melhor maneira, se quiser experimentar algo semelhante, só precisa de fazê-lo."

Captar a ação com a EOS-1D X Mark II

Quando se trata da ação, esta não se resume às peripécias de Samo numa prancha. Para competir com as condições de iluminação em constante mudança, de manhã à noite, Samo precisava de um equipamento viável para tirar as fotografias que precisava. Foi aí que a EOS-1D X Mark II da Canon se tornou uma verdadeira ajuda. Samo passa a explicar:

"Esta é a câmara que precisa se quiser fotografar um trabalho como este. Tem uma velocidade de disparo de 14 fotogramas por segundo, uma focagem automática surpreendentemente rápida que funciona em todos os momentos e os ficheiros são incríveis. Esta é a única câmara que escolheria."

Para captar as fotografias, Samo utilizou uma objetiva 35mm a f/1.4. Com uma abertura tão ampla, Samo conseguiu obter um fundo verdadeiramente desfocado, mantendo o motivo com uma focagem perfeita, criando um efeito quase 3D. Também no seu estojo foi incluída uma objetiva 70-200mm f/2.8, que lhe permitiu manter-se afastado do seu motivo para fotografar grandes planos nítidos. Por fim, utilizou um zoom fiel de 24-70mm f/2.8, que confere uma flexibilidade surpreendente em ambientes como o do rio Eisbach, difíceis de controlar.

Quando questionado sobre a sua fotografia favorita, ele sabia exatamente qual escolher.

"É a fotografia do Tao, tirada com a objetiva EF 300mm f/2.8L IS II USM, apenas com a ponte atrás. Existe um salpico de água e está completamente imobilizada durante o salto dele. Quando a vi, sabia que tinha ficado excelente."

Explore a nossa experiência interativa City Surfer aqui.

Mais informações sobre o fotógrafo

Ver o perfil completo