Caroline’s children eating

A FOTOGRAFAR EM DIREÇÃO AO FUTURO

A Lensational ensina mulheres de todo o mundo a utilizar a fotografia para documentar as suas vidas, transformando as diferentes histórias numa fonte de rendimento criativa. Conversámos com a fundadora, Bonnie Chiu, para saber mais sobre o trabalho que a sua associação de caridade tem vindo a desenvolver. Com esta entrevista, pretendíamos descobrir o que a inspirava a ajudar a mudar as vidas de tantas pessoas através da fotografia. Além disso, queríamos também saber mais sobre todas as fantásticas experiências que viveu ao longo dos últimos 5 anos, desde que fundou a Lensational.

Por que é que acredita que as fotografias se transformam em histórias tão apelativas?

Uma imagem vale mais do que mil palavras. A fotografia é uma linguagem universal que transcende a cultura e a língua. Através dela, podemos partilhar uma história, evocar determinadas emoções e alargar o nosso campo de visão. Contudo, a fotografia continua inacessível a muitas pessoas de países em desenvolvimento.


Como é que a fotografia permite mudar vidas?

A fotografia tem a capacidade de congelar o tempo, comunicar, expressar e, de uma forma geral, retratar aquilo que está à nossa frente mas, mais importante, a forma como nos vemos a nós próprios. As imagens transcendem o tempo e podem também transcender fronteiras, uma vez que cada imagem nos atrai de diferentes formas.

A fotografia cria oportunidades infinitas para dar vida a algo único, que pode ajudar a destacar determinados problemas da sociedade. Este processo tem por base o mantra feminista de que o pessoal é político. E este é, certamente, o primeiro passo em direção à mudança e a uma maior compreensão.


O que a inspirou a equipar as mulheres com câmaras?

Em 2011, conheci quatro jovens turcas enquanto viajava. Como qualquer turista, tirei fotografias e ensinei-as a tirar fotografias também. Foi refrescante ver as coisas através dos seus olhos, já que os meios de comunicação têm a sua forma de retratar as jovens muçulmanas. Foi interessante ver as coisas de forma diferente, contrariando algumas ideias pré-concebidas e erradas. Isto fez-me perceber que a fotografia é uma linguagem universal que transcende barreiras.

© Francis Kokoroko


Como consegue dar voz a estas mulheres através da Lensational?

A Lensational tem como objetivo aproximar-se de mulheres marginalizadas de uma forma autossustentável. Seguimos o progresso das nossas estudantes e colocamos o seu trabalho ao alcance do público global. Estas mulheres podem partilhar as suas imagens na nossa plataforma de fotografia online ou através de exposições e de parceiros empresariais como a Getty Images. Metade das receitas vão para estas mulheres, como fonte de rendimento sua, enquanto a outra metade é novamente investida na Lensational, para que possamos dar continuidade ao nosso trabalho.

Com poucas imagens de mulheres fortes a inspirá-las, as jovens e mulheres da atualidade podem não ter uma perfeita noção das opções que estão ao seu dispor. As nossas imagens na Lensational pretendem mudar exatamente isso.


Com quantas mulheres já trabalhou através da Lensational?

Construímos uma comunidade de mais de 100 voluntários em 25 países e treinámos 700 jovens e mulheres em 20 países na Ásia e África.


© Lucy Tabu


Que fotografia a inspirou mais?

"Um toque de rosa" (destacada na parte superior da página), que foi tirada por uma trabalhadora têxtil chamada Yasmin Islam Eva em Dhaka, Bangladesh, em 2015. O setor têxtil oferece a grande parte das oportunidades de emprego para mulheres no Bangladesh, e talvez seja esta a única forma que as mulheres sem formação de zonas rurais encontram para poderem trabalhar. 80% dos trabalhadores deste setor são mulheres. No entanto, os trabalhadores têxteis são mal pagos e recebem pouco ou nenhum reconhecimento por parte das suas famílias ou da sociedade. Além disso, casos de exploração e acidentes de trabalho, como o desabamento da fábrica Rana Plaza em 2013, permaneceram na memória daqueles que fazem parte deste setor. Foi por esta razão que demos início ao nosso projeto, ensinando várias trabalhadoras a contar as suas histórias. Este projeto é algo extremamente pessoal para mim, pois a minha avó passou 20 anos a trabalhar no setor têxtil em condições muito difíceis.

Esta imagem conseguiu realmente cativar-me devido ao contraste entre a vivacidade das rosas e a paisagem de cimento da cidade de Dhaka. Transportou-me imediatamente para o terraço desta fábrica, como se tivesse sido eu a tirar a fotografia. Apesar de todas as dificuldades, as pessoas tendem a procurar a beleza em qualquer parte. Por vezes, agarramo-nos às coisas mais pequenas e belas, em busca de algum significado.


O que aprendeu sobre a vida das mulheres através destas fotografias?

Uma vez que trabalhamos com as mulheres mais marginalizadas do mundo, supomos imediatamente que as suas vidas estão repletas de desespero e tristeza. Mas isso não é verdade. É apenas o estereótipo monolítico em que temos vindo a acreditar após décadas de intensa "exploração da pobreza". As vidas destas mulheres são extremamente ricas em cor e marcadas por diferentes experiências. No entanto, todas elas têm um tema em comum: a perseverança.


O que diria para inspirar alguém a sair de casa e utilizar a criação de imagens para contar histórias?

Comecei com esta ideia de dar voz às mulheres através da fotografia no Dia Internacional da Mulher em 2013, inicialmente com uma página no Facebook. Na altura, tinha apenas 20 anos e não esperava que esta ideia conquistasse tantas pessoas por todo o mundo. Espero que este projeto inspire as pessoas a sair de casa e a utilizar o poder da fotografia para contar uma história, independentemente do quão irrelevante possa parecer no início, pois nunca sabemos o impacto que poderá ter no futuro.


Qual é a sua visão para o futuro?

Na Lensational, imaginamos um mundo onde, através da fotografia, as mulheres de toda a parte se expressam livremente, concretizam os seus objetivos e são representadas de uma forma digna.


© Alison Joyce


O que contém o saco de Bonnie Chiu:

Câmaras:

Canon EOS 600D

Objetivas:

Objetiva Canon EF-S 18-55mm f/3,5-5.6 IS STM

Objetiva Canon EF 50mm f/1.8 STM



Créditos da entrevista: escrita por Ross Cockrill e John Coomber