City Night Lights

Capture ever changing cities, de Beno Saradzic

Vencedor de vários prémios, o esloveno Beno Saradzic é um cinematógrafo de time-lapse, fotógrafo e artista visual que reside atualmente no Dubai, EAU. Após 18 anos como especialista de animação 3D por computador, começou a explorar novos caminhos criativos em 2008 e acabou por descobrir os mundos da fotografia e da cinematografia de time-lapse.

Muitas das suas fotografias e muitos dos seus filmes time-lapse já apareceram em publicações e outros suportes locais e internacionais. O trabalho dele é reconhecido pela forma como utiliza a luz e a composição, indo buscar fortes influências aos clássicos do cinema e da arte tradicional, e define-se pela sua paixão pela arquitetura, engenharia, ciência e beleza da natureza.

Propusemos-lhe que fotografasse a cidade onde reside atualmente e falámos sobre formas de captar as muitas faces de uma cidade em mudança.

Fotografar Abu Dhabi a partir de novos locais estratégicos

Como sou um fotógrafo apaixonado pelos cenários urbanos, estou sempre à procura de locais novos e estratégicos. Isto costuma levar-me para os telhados dos arranha-céus mais altos a que posso aceder. Foi por isso que fiquei muito entusiasmado quando vi as torres altíssimas do World Trade Center de Abu Dhabi durante a construção.

A mais baixa das duas, a Trust Tower, tem 60 pisos e 278 metros de altura. A mais alta, denominada Burj Mohammed Bin Rashid, é o edifício mais alto da capital dos EAU. Tem 92 pisos e uns estonteantes 381 metros de altura.

Eu sabia que estas torres não teriam varandas de onde pudesse fotografar futuramente. A única forma de fotografar a partir delas foi aproveitar o momento entre a conclusão das estruturas e o revestimento com vidro. O meu objetivo era fotografar com uma vista sem obstáculos a partir dos pontos estratégicos mais altos da cidade para mostrar Abu Dhabi de uma forma que nunca tinha sido vista.

Conseguir o acesso

Obviamente, conseguir o acesso à obra de um arranha-céus não foi fácil. Utilizei todos os meus conhecimentos e contactos na área da construção e arquitetura e só consegui a minha data exclusiva no ponto mais alto de Abu Dhabi após uma semana de e-mails e telefonemas. Estava super entusiasmado.

Uma fotografia incrível

A primeira fotografia foi tirada na noite do dia 28 de março de 2011, na ponta da Trust Tower, 60.º piso. Vivo há décadas em Abu Dhabi e nunca a tinha visto desta altura.

A ressonância das cores das luzes néon, o tráfego apressado na zona comercial, a densidade absurda da zona urbanizada e a forte organização do planeamento urbano deixaram-me impressionado. Também devo referir que estava uma noite fria com vento forte quando tirei a fotografia. Pensei que as minhas orelhas, o meu nariz e os meus dedos iam congelar e cair. Foi uma noite fantástica!

Condições meteorológicas extremas

Qualquer fotógrafo que viva nos EAU conhece o nevoeiro misterioso e esquivo que surge uma ou duas vezes por ano. Forma-se no deserto durante a noite e desloca-se até à costa para envolver a cidade ao amanhecer, até se desvanecer com o calor do sol da manhã.

Este nevoeiro é muito denso quando está junto ao solo e provoca muitos problemas nos aeroportos e nas estradas, mas é uma situação meteorológica extrema que os fotógrafos muito apreciam. Há muito tempo que tinha planos para fotografar a cidade mergulhada no nevoeiro, mas nunca tinha tido sorte. Ou tinha a autorização para fotografar do alto da torre e o nevoeiro não aparecia, ou não tinha a autorização e o nevoeiro aparecia. Acabei por ter sorte no dia 24 de janeiro de 2013 ao nascer do sol e fotografei Abu Dhabi com o nevoeiro a invadir as ruas. A fotografia foi tirada no 92.º piso da torre Burj Mohammed Bin Rashid e valeu todo o esforço e sofrimento do planeamento à execução.

Até hoje, continua a ser a minha fotografia de paisagem urbana preferida.

Fotografar lados diferentes da cidade

As duas fotografias foram tiradas quase do mesmo ponto elevado, mas em dias e horas diferentes, e mostram faces diferentes da mesma cidade. O seu lado dinâmico, palpitante e vibrante, e o seu lado adormecido, sonhador e talvez surreal. Para ver a cidade com personalidades opostas, basta apanhá-la de surpresa. Isto implica geralmente acordar muito cedo, quando todos ainda dormem.

Lembro-me de olhar para cima a partir do passeio e não conseguir ver a ponta da torre. Pensei: “espero que valha a pena”.

Tirar as fotografias

Fotografar a partir de edifícios em construção é muito difícil, sobretudo se for um arranha-céus. Fui submetido a medidas de segurança e proteção muito rigorosas que a empresa de construção impôs e isto só aconteceu muito depois de ter cumprido todas as restantes formalidades.

Tive de acompanhar as previsões meteorológicas várias vezes por dia à espera das condições favoráveis à formação do nevoeiro e depois tive de conseguir o acesso para fotografar na altura certa.

Saiba mais

Brevemente: Ver o mundo sem um visor

Subscrever a newsletter