T1 header

Filmar o Munich’s City Surfers com Tom Rijpert e Serge Teulon

"Num momento estás no meio da cidade e a seguir estás dentro desta comunidade de surf". - Tom Rijpert, Realizador interativo

Estamos junto ao rio Eisbach em Munique com o realizador interativo Tom Rijpert e o seu diretor de fotografia (DOP) Serge Teulon. O sol já se pôs e está surpreendentemente quente para abril, mesmo que a temperatura da água continue um pouco fria a 4 °C. É o último dia de filmagem do City Surfers e, enquanto grande parte da equipa prepara a chegada dos nossos surfistas, reservamos algum tempo para falar com Tom e Serge sobre a experiência e especificamente sobre a EOS C300 Mark II.

Tom começa:

"Quando recebemos pela primeira vez as instruções ficámos todos muito interessados, porque grande parte das condições são totalmente novas. Adoramos utilizar novas tecnologias para dar aos utilizadores um novo tipo de experiência."

Bastidores do City Surfers - EOS C300 Mark II da Canon

Mas para Tom, a tecnologia é apenas um meio para atingir um fim. Tom quer colocar o espectador no momento em que a tecnologia fica para segundo plano e tudo o que resta é uma verdadeira história humana.

"De uma perspetiva de história, esta comunidade de surf é uma subcultura verdadeiramente interessante para apresentar aos espectadores. Para além disso, é basicamente uma realidade que podemos encontrar ao virar da esquina. É essencialmente sobre pessoas normais que fazem estas coisas extraordinárias, sendo uma excelente oportunidade fotográfica ou, no nosso caso, para a simulação fotográfica".

O Eisbach é um cenário aberto com mais de uma centena de surfistas que enfrentam todos os dias a onda. Em relação a estes motivos, Tom não poderia ter pedido melhor do que Tao, Karina e Alex.

"Têm sido uma verdadeira ajuda ao colocar-nos dentro da comunidade de surf. É uma comunidade coesa e normalmente não é muito recetiva a filmagens de vídeos comerciais, porque existe sempre algo a acontecer em torno do seu rio, e esta é a forma como o veem, como o seu rio."

Serge também adorou o potencial da localização do nosso City Surfer:

"O facto de ser realizado na cidade significa que o espectador pode ver os edifícios em seu redor, pode ver os veículos a circularem na parte de trás do enquadramento, mas também temos um ângulo que permite uma abordagem muito pessoal do surfista. Somos capazes de colocar a câmara basicamente ao nível de água em frente ao surfista e penso que isso nos dá realmente aquela sensação de estar com o surfista na onda".

Nos bastidores com Tao

Mas, para Serge, o desafio reside na iluminação do Eisbach:

"Quando estamos a filmar, temos sempre de criar o ambiente, por isso temos de o iluminar. Não podemos contar apenas com a luz natural ou com as luzes da cidade, temos sempre de aumentá-la. Tentámos não criar um ambiente demasiado diferente, porque não queríamos que as pessoas sentissem que nunca poderiam ter sido elas a tirar aquela fotografia. Não queríamos que parecesse fortemente encenado ou iluminado, por isso a nossa tarefa era basicamente tentar fazê-lo parecer realista. Para isso, combinamos a cor das nossas luzes com as cores das luzes da rua na ponte. A retroiluminação é efetivamente a luz do luar. Usei 2 luzes de balão de hélio, um tungsténio à frente em cima da ponte e outro atrás, com a luz do dia equilibrada. Em seguida, coloquei quatro luzes de trabalho numa vara de andaime na ponte e, para além disso, também colocámos quatro 10k na ponte e duas 5k nas partes laterais do rio a apontarem para os surfistas".

Alguns realizadores gostam de levar as suas câmaras ao limite. Os realizadores interativos, Tom e Serge, foram ainda mais longe e inventaram suportes totalmente novos e personalizados para a EOS C300 Mark II, de forma a dar vida a esta visão dos surfistas da cidade de Munique. A experiência interativa combina tantas técnicas cinematográficas emergentes e diferentes que era necessário implementar testes extensivos, como explica Serge:

"Através de suportes e ângulos diferentes, fizemos um estudo verdadeiramente exaustivo do local. Tirámos inúmeras fotografias a partir de diferentes partes da onda, do centro, da direita, de trás, tudo o que nos pudesse dar um ângulo ligeiramente diferente, enquanto traduzíamos a visão criativa do Tom".

Tom começa a explicar todos os passos realizados para utilizar a gama completa de câmaras Canon para construir os suportes personalizados que estão na base de toda a experiência. Primeiro, Tom começa a explicar o suporte de 180º:

"Para filmar a 180º, o grande desafio é o facto de existirem vários elementos no enquadramento, nomeadamente a iluminação, a equipa, os transeuntes, que normalmente não pretendemos incluir. É uma forma completamente diferente de pensar e enquadrar as suas fotografias".

Serge acrescenta:

"Inicialmente, tentámos duas câmaras EOS C300 Mark II com objetivas muito amplas e depois tentámos uma câmara com olho de peixe. Descobrimos que a câmara com a objetiva olho de peixe nos tornava bastante autónomos. Esta câmara permitia-nos utilizar o equipamento standard de forma a aproximar a câmara da água e a protegê-la em situações onde estávamos perto da água. Mais importante ainda, a nível criativo, concedeu-nos um aspeto verdadeiramente marcante, que consideramos ter um impacto significativo no filme".

Suporte da câmara EOS M10 de 180 graus da Canon

Também foi criado um suporte de zoom utilizando três EOS C300 Mark II para demonstrar os benefícios de um zoom ótico, por oposição ao zoom digital para fotógrafos inexperientes que podem estar a utilizar um smartphone. Tom explica:

"No caso do suporte de zoom, penso que o grande desafio foi que queríamos ter as três câmaras a partilharem o mesmo ponto de observação. Como tal, tivemos de trabalhar com suportes com espelhos normalmente utilizados para filmar em 3D. Estas três câmaras também são necessárias para contar histórias diferentes. No caso do nosso grande plano, temos o nosso surfista a ocupar ligeiramente mais espaço, e a cena podia ser sobre o surfista e os espectadores ou podíamos aumentar para o máximo, penso que era 28 mm, e torna-se mais uma história sobre a comunidade de surf no meio da cidade. Penso que é uma abordagem interessante para nós enquanto realizadores. É interessante constatar novamente a diferença que a escolha de uma objetiva faz e como podemos contar uma história diferente a partir da mesma perspetiva com uma objetiva diferente".

Por fim, criaram o suporte de ação rápida:

"Depois, implementamos o suporte de ação rápida, que é fantástico, porque temos várias câmaras de consumidor que nos permitem filmar e tirar fotografias desse vídeo, mas obviamente queríamos mostrar-lhes a qualidade das fotografias, especialmente as fotografias da Canon, neste caso, que não é possível observar no vídeo".

Bastidores do City Surfers - EOS C300 Mark II da Canon

Para além da tecnologia, aquilo que nos permite realmente criar esta experiência incrível é o desempenho físico dos nossos surfistas. Tom está claramente impressionado com eles:

"O Alex e a Karina são pessoas muito queridas e excelentes surfistas e o Tao é simplesmente fantástico. Num determinado momento, pedi-lhe na brincadeira para se aproximar um pouco mais de nós na prancha, que estava a dirigir-se contra o poder da onda, e ele fê-lo, aproximou-se um pouco mais. As coisas que ele conseguia fazer, o controlo total que tinha sobre a prancha e o controlo que tinha sobre o próprio rio eram incríveis. Take após take, ele cumpria a sua tarefa, perfeitamente cronometrada com a nossa grua, e era uma loucura impressionante de ver".

Ação com a EOS

Em relação à EOS C300 Mark II, Serge sentiu uma sensação familiar, mas com diferenças observáveis.

"A C300 Mark II é uma câmara muito familiar. A postura da Canon tem sido, na minha opinião, excelente, porque não mudaram o tamanho e o peso do corpo. A Canon também não mudou a orientação dos botões na câmara, que tornam a câmara familiar a qualquer pessoa que tenha utilizado as suas versões anteriores".

Apesar de existirem bastantes funcionalidades novas que valem a pena anunciar, Serge mencionou os seguintes pontos:

"A C300 Mark II grava internamente em 4k, o que é muito importante. Existem várias câmaras que precisam de equipamento externo para conseguirem gravar em 4k. O sistema do menu interno também foi melhorado, o que torna a sua utilização muito mais fluida. Não é necessário percorrer várias páginas para chegar onde pretende".

Em relação aos requisitos específicos da filmagem do City Surfer, a EOS C300 Mark II destacou-se significativamente:

"Achei a C300 Mark II uma excelente câmara para filmar em condições de pouca luz. Lidou com a escuridão bastante bem. Também tem uma excelente gama dinâmica para a luz do dia e para as situações como a do rio, onde tínhamos luzes muito brilhantes do sol, e para os momentos em que as nossas luzes atingiam a superfície da água. Iluminámos o surfista com muita contraluz para tentar separá-los. A câmara lidou com a escuridão do fundo e com as luzes no surfista sem quaisquer problemas."

Um dos complementos mais recentes desta câmara de filmar é o Dual Pixel CMOS AF, que Serge teve a oportunidade de utilizar:

"Tive a oportunidade de experimentar a focagem automática da C300 Mark II enquanto estava na fase de testes e também entre takes. Fiquei muito impressionado. Encontra-se ao mesmo nível da focagem automática das câmaras fotográficas, na minha opinião".

A EOS C300 Mark II também ajudou a equipa a manter-se um passo à frente, no que respeita à pós-produção, como explica Serge:

"Utilizámos o Canon Log 2, que é uma excelente definição de gama. Permite-nos realmente levar a câmara ao máximo, sabendo que iremos obter uma imagem excelente e conseguiremos retomar tudo de volta ao seu estado original na fase de pós-produção".

Tom faz-nos um resumo perfeito:

"Há uma grande quantidade de informações nos pretos e brancos. A nível de cores, existem vários procedimentos na pós-produção, o que é realmente importante durante uma filmagem, especialmente se for um filme profissional comercial de alta qualidade. Penso que, para nós, foi a câmara perfeita."

Explore a nossa experiência interativa City Surfer aqui.