NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAFIA

Desfrutar do ar livre: 5 técnicas de fotografia aquática

Desde cascatas desfocadas a gotas a cair, descubra estas cinco melhores sugestões sobre como fotografar água.
Canon Camera
Se procura uma pausa relaxante da vida quotidiana, a água provavelmente não está longe. Desde um dia em família na praia, a um passeio no campo junto a um rio sinuoso, muitas pessoas desfrutam dos efeitos calmantes da água na natureza. Por isso, quer seja a rebentação das ondas, a névoa desfocada dos salpicos de uma cascata ou os reflexos num lago sereno, é provável que a água esteja presente nas suas fotografias este verão. Mas como é que capta fotografias apelativas de um motivo tão variado e repleto de movimento? Existem inúmeras opções criativas para melhorar as suas fotografias de verão.

Estas cinco técnicas de fotografia aquática irão ajudar a elevar as suas imagens a um outro nível, quer esteja a aproveitar as temperaturas do verão ou a encontrar motivos mais próximos de casa durante os meses mais frios.

1. Como fotografar reflexos na água

Um homem segurar a sua câmara acima da cabeça para fotografar um posto de observação numa praia.

Faça experiências com a altura da câmara ao enquadrar um reflexo: um ângulo elevado pode mostrá-lo mais claramente, enquanto um ângulo baixo pode aproximá-lo mais da superfície para uma visualização mais dinâmica.

Fotografia de paisagem de praia com um ponto de observação refletido na água sobre a areia.

Talvez o aspeto mais fotogénico da água seja a sua qualidade reflexiva. Tirada com uma Canon EOS R6 e uma objetiva Canon RF 24-105mm f4-7.1 IS STM a 31 mm, 1 seg., f/16 e ISO 100.

Uma grande massa de água parada é ideal para captar reflexos nítidos, que são uma excelente forma de conferir interesse a uma paisagem simples. Procure água durante os seus passeios. O fluxo de um curso de água oferece-lhe efeitos de reflexo mais abstratos, enquanto a superfície parada de uma poça pode criar um reflexo mais calmo e mais semelhante ao de um espelho. Se é isto que procura, encontre um local abrigado ou espere que a brisa abrande antes de tirar a fotografia.

Definir a câmara para o modo prioridade à abertura (Av) permite-lhe selecionar a abertura enquanto a câmara ajusta automaticamente a velocidade do obturador para a exposição correta. Para garantir que tanto o primeiro plano como os detalhes refletidos à distância permanecem nítidos, escolha uma abertura estreita e utilize a calculadora de profundidade de campo (DOF) e de distância hiperfocal na aplicação Guia de Fotografia. A focagem de distância hiperfocal ajuda-o a obter uma nitidez superior ao encontrar o ponto mais próximo no qual pode focar e manter o fundo com uma nitidez aceitável.

Como alternativa a uma abertura estreita, poderia experimentar utilizar uma abertura muito ampla para desfocar o primeiro plano ou o reflexo, para um efeito abstrato.

2. Como fotografar cascatas

Uma cascata sobre-exposta a fluir, mostrando desfocagem de movimento.

Irá necessitar de uma exposição longa para captar a queda da água como uma deslumbrante desfocagem de movimento. Tirada com uma Canon EOS 850D com uma objetiva Canon EF-S 18-135mm f/3.5-5.6 IS USM a 64 mm, 15 seg., f/20 e ISO 100.

Um fotógrafo encontra-se diante de um rio com uma cascata com a sua câmara num tripé.

Os filtros de densidade neutra (ND) são excelentes para bloquear a luz, mas também podem dificultar a visualização através do visor. Para combater esta situação, utilize a visualização direta para compor e focar e, em seguida, defina um temporizador de dois segundos para ajudar a evitar a vibração da câmara.

Da próxima vez que estiver a fazer uma caminhada e encontrar uma cascata que tenha mesmo de ser captada numa fotografia, certifique-se de que tira o máximo partido ao adicionar um filtro de densidade neutra (ND) à configuração da câmara. Os filtros ND impedem que a luz entre na câmara em quantidades medidas (pontos), o que lhe proporciona um maior controlo ao selecionar a velocidade do obturador. Um filtro ND de 6 pontos é ideal para cascatas e, provavelmente, o melhor filtro completo para desfocar água. Antes de começar a fotografar, estude o fluxo da cascata e tome nota do local onde se forma espuma na base, uma vez que esta é a área que irá criar faixas maravilhosamente desfocadas.

Para uma configuração simples, ajuste a sua câmara para o modo Manual (M) com uma abertura suficientemente pequena para garantir uma grande profundidade de campo e a ISO 100 e, em seguida, ajuste a velocidade do obturador até que a medição pareça correta. Em seguida, coloque o filtro ND e ajuste a velocidade do obturador em conformidade. Cada ponto de luz bloqueada pelo filtro ND permite-lhe duplicar o tempo de exposição. O método de contagem de cliques pode ser útil para recalcular, uma vez que são dois ou três cliques no seletor de velocidade do obturador por ponto (dependendo dos incrementos de pontos definidos no menu da câmara).

3. Como captar o mar

Um homem agachado junto a uma câmara e um tripé numa praia coberta de rochas.

O emparelhamento da sua câmara com a aplicação Camera Connect da Canon permite-lhe iniciar e parar exposições de minutos no modo "Bulb" (B) com o seu telemóvel, o que significa que pode ativar o obturador durante o tempo que desejar.

Uma fotografia de exposição longa do mar desfocado contra as rochas de uma linha costeira ao pôr do sol.

Quando as exposições duram até um minuto, pode captar uma impressionante desfocagem pálida no mar e movimentos suaves nas nuvens. Tirada com uma Canon EOS 850D com uma objetiva Canon EF-S 18-135mm f/3.5-5.6 IS USM a 24 mm, 2,5 seg., f/16 e ISO 100.

Uma caminhada na praia é um dos maiores prazeres do verão e irá adorar captá-la para o seu álbum. Mas, apesar de o oceano poder ser uma das paisagens naturais mais espetaculares, a superfície irregular da água pode, por vezes, parecer confusa quando captada numa fotografia. Ao utilizar uma exposição muito longa para desfocar o movimento do mar, pode transformar a espuma da água numa superfície extremamente suave e difusa. Se estiver a fotografar com a luz do dia, irá necessitar de um filtro ND forte que bloqueie cerca de 10-16 pontos de luz. No crepúsculo, pode precisar de um ND mais fraco ou nenhum. Experimente um passeio matinal se quiser verificar isto e desfrute da calma de ter a praia praticamente só para si enquanto prepara a sua fotografia.

4. Como fotografar a rebentação das ondas

Um fotógrafo agachado nas rochas junto à rebentação das ondas com o seu tripé e a sua câmara.

Ao fotografar ondas, pode ser difícil avaliar o momento certo, por isso, defina o modo de avanço da câmara para disparo contínuo de alta velocidade e tire uma série de disparos rápidos à medida que as ondas rebentam.

Pequenas ondas batem contra rochas na costa de uma praia.

Nada demonstra o poder majestoso da água como a rebentação das ondas – faça experiências com diferentes velocidades do obturador para variar a sua imagem final. Tirada com uma Canon EOS 850D com uma objetiva Canon EF-S 18-135mm f/3.5-5.6 IS USM a 27 mm, 1/20 seg., f/25 e ISO 100.

Se quiser captar o movimento dramático do mar, irá necessitar de uma velocidade do obturador elevada de cerca de 1/500 seg. Em alternativa, uma velocidade do obturador mais lenta pode ajudar a transmitir a sensação de movimento ao transformar os salpicos e as gotas em manchas explosivas de desfocagem. Experimente definir a sua câmara para o modo prioridade ao obturador (TV) e diminua a velocidade do obturador para cerca de 1/20 seg., com ISO 100. Com esta velocidade do obturador, é melhor utilizar um tripé, mas pode fotografar sem tripé, desde que se mantenha imóvel.

Se tiver uma objetiva com estabilizador de imagem ou uma EOS R5 ou R6 com estabilizador de imagem incorporado, e estiver a utilizar uma objetiva grande angular, ao seguir a regra geral de "reciprocidade", é possível fotografar sem tripé com uma exposição de 1/20 segundos com uma objetiva de 20 mm.

Ou, se pretende tornar-se um pouco mais ativo, quer seja perto ou dentro da água, a Canon IVY REC é uma excelente companheira. É à prova de impactos e à prova de água durante 30 minutos a uma profundidade máxima de dois metros. Para mais sugestões sobre como fotografar desportos aquáticos, consulte o nosso guia para tirar o máximo partido da ação aquática.

5. Como captar gotas de água

Um homem segura a câmara sobre um copo de água contra uma folha azul, enquanto tira uma fotografia de uma gota a salpicar a partir de cima.

O posicionamento do flash atrás de uma folha de acetato azul cria reflexos coloridos na água.

Uma gota de água salpica e cria ondas.

Uma objetiva macro, como a RF 35mm F1.8 Macro IS STM, que James utilizou para tirar esta fotografia, permite-lhe fotografar grandes planos de gotas de água em pormenor. Faça a focagem manualmente com antecedência no local onde a gota irá cair. Tirada com uma Canon EOS RP e uma objetiva RF 35mm F1.8 Macro IS STM a 2 seg., f/16 e ISO 100.

Infelizmente, o tempo nem sempre está do nosso lado. Se for esse o caso, pode sempre praticar a sua fotografia aquática mais perto de casa. As gotas de água podem parecer incríveis quando vistas em grande plano. Para captar a ação da queda de uma gota de água, terá de utilizar um flash externo, como o Canon Speedlite EL-100, e fotografar num local escuro. Desta forma, pode utilizar a duração do flash (a duração do disparo de luz) para captar o movimento quando a gota atinge a superfície da água em baixo.

Pratique a técnica ao colocar um conta-gotas ou uma seringa sobre um copo de água e ao posicionar um flash para iluminar a gota por detrás. Defina a câmara para o modo Manual (M) a f/8, ISO 100 e com uma velocidade do obturador de aproximadamente dois segundos. Inicie a exposição, deixe cair a gota de água e, em seguida, dispare o flash manualmente quando a gota atingir a superfície ou utilize um acionador remoto para disparar o flash de forma automática. É um desafio para as suas competências de câmara e técnicas de iluminação, mas os resultados podem ser fantásticos.
Escrito por James Paterson

Produtos relacionados

Artigos relacionados