FOTOGRAFIA DE DESPORTO

Um dia de fotografia com um profissional de desportos de ação

A aspirante a fotógrafa Deborah passa um dia cheio de ação com o Embaixador da Canon Jean-baptiste Liautard, captando todos os momentos de uma emocionante sessão de ciclismo de montanha.
Canon Camera
Congelar ação em movimento rápido pode ser um desafio assustador quando começa a fotografar. Que definições da câmara deve utilizar? Como deve focar a objetiva? Que técnicas irão proporcionar resultados extremamente nítidos?

Deborah, uma jovem fotógrafa e entusiasta de desportos de ação de Lyon, França, desejava obter algumas respostas.

"Tenho tido muito dificuldades com a focagem e o enquadramento", explica. "Quero aprender as técnicas certas para que o meu motivo fique nítido e para escolher o ângulo perfeito ao fotografar ação."

Para ajudar a Deborah a melhorar rapidamente as suas capacidades de fotografia de ação, juntámo-la ao Embaixador da Canon e fotógrafo de ciclismo de montanha Jean-baptiste Liautard (Jb), numa sessão fotográfica cheia de acrobacias com o atleta francês de ciclismo de montanha Jéremy Berthier.

Normalmente, o Jb fotografa com uma Canon EOS R5, mas para provar que não precisa de um kit profissional para tirar fotografias com aspeto profissional, ambos receberam uma Canon EOS RP e uma objetiva Canon RF 35mm F1.8 Macro IS STM para trabalhar.

Descubra como a Deborah lidou com os desafios e leia as melhores sugestões do Jb para fotografar ação.

1. Comunique com o seu motivo

Três pessoas numa plataforma de madeira, a olhar para fotografias numa câmara Canon EOS RP, duas delas sentadas, uma delas de pé com um capacete a segurar uma bicicleta de montanha.

Falar sobre tudo com o seu motivo é essencial para obter os melhores resultados. "O objetivo deste tipo de imagem é mostrar o melhor da ação", afirma o Jb. "Por isso, se o atleta estiver a quatro metros de altura, mas na sua imagem parecer um metro, não é uma boa fotografia de ação. Pode ser uma boa fotografia, mas o ciclista nunca ficará satisfeito com ela, e todos têm de estar satisfeitos no final do dia."

Uma imagem de uma figura na sombra escura no ecrã de ângulo variável de uma câmara Canon EOS RP.

O Jb aconselhou a Deborah a dar indicações ao motivo, como dizer-lhe para onde olhar e o que fazer. "Desta forma, controlas tudo, mesmo quando a ação se desenrola naturalmente. É muito importante gerir esses pequenos detalhes para conseguir a sua fotografia", afirma.

"Se a sua câmara não tiver uma velocidade de disparo contínuo muito rápida, terá de premir o botão do obturador no momento certo", afirma Jb. "Saber um pouco sobre o desporto será muito útil a este respeito. Fale com o ciclista e debata a acrobacia que irá fazer, a altura que irá atingir e qual pensa ser o melhor ângulo para captar a ação."

Deborah concorda: "Jb explicou a importância de comunicar com as pessoas com as quais trabalhamos, para que todos possam transmitir as respetivas expectativas. O maior desafio que tive na sessão foi lidar com a velocidade do meu motivo. Ultrapassei-a analisando os treinos do Jeremy, a fim de conseguir prever o momento certo para premir o botão do obturador na tentativa seguinte."

Não se esqueça de utilizar também a tecnologia da câmara a seu favor. Combinar uma excelente comunicação com o seu motivo e a definição de avanço mais rápida da sua câmara proporciona-lhe uma melhor oportunidade de captar o momento em que todos os elementos se reúnem numa excelente fotografia de ação. "Ter a flexibilidade de gravar uma sequência de fotografias que pode partilhar com o atleta para escolher o melhor enquadramento é muito importante, porque a posição e a ação têm de ser consideradas perfeitas de ambos os lados da câmara", explica Jb.

2. Controle o maior número de elementos possível

O Embaixador da Canon Jean-baptiste Liautard tira uma fotografia de um homem a fazer acrobacias numa bicicleta de montanha num caminho rural com uma câmara Canon EOS RP.

O Jb diz que gosta de "exagerar" no equilíbrio de brancos para acentuar as cores quentes durante a noite, e mostrou à Deborah como fazê-lo definindo manualmente uma temperatura da cor mais elevada com a opção K (Kelvin) no menu de equilíbrio de brancos da Canon EOS RP.

Um ciclista de montanha a saltar ao fazer downhill ao longo de uma estrada.

"Para esta fotografia, pedi a Jeremy que usasse vestuário amarelo e castanho, porque senti que complementava bem o fundo", afirma o Jb. Tirada com uma Canon EOS RP com uma objetiva Canon RF 35mm F1.8 Macro IS STM a 1/2500 seg., f/1.8 e ISO 200. © Jean-baptiste Liautard

Embora não consiga controlar as condições meteorológicas, deve dar o seu melhor para não deixar nenhum outro aspeto da sua fotografia ao acaso, diz Jb. "Tente antecipar os problemas e controlar tudo o que for possível. Por exemplo, choveu muito nos dias que antecederam esta fotografia e, por isso, a saída de um dos saltos era demasiado suave. Para contornar este problema, cavámos no rebordo do salto e acendemos uma fogueira no interior, para que a sujidade secasse em poucas horas."

Um aspeto de uma sessão fotográfica de desportos de ação relativamente controlável é a escolha de vestuário do ciclista. "Tente obter cores que funcionem em harmonia ou acrescentem contraste. Se tiver um fundo verde, por exemplo, pode escolher vestuário vermelho ou branco para fazer com que o ciclista se destaque."

3. Definir uma velocidade de obturador elevada

Uma imagem da parte superior de uma câmara Canon EOS RP com enfoque no seletor de modos da câmara.

O Jb aconselha a mudança para o modo de exposição manual para permitir o controlo total das definições da câmara. Se estiver a dar os primeiros passos na fotografia de ação, é melhor fotografar quando existe claridade, pois terá mais liberdade para experimentar.

Um ciclista de montanha a executar um salto elevado, cujo ponto mais alto está nivelado com a linha de árvores nas proximidades.

Uma velocidade de obturador elevada é essencial para manter os detalhes nítidos ao fotografar um atleta em movimento. Tirada com uma Canon EOS RP com uma objetiva Canon RF 24-105mm F4-7.1 IS STM a 52 mm, 1/1000 seg., f/7,1 e ISO 1250. © Jean-baptiste Liautard

A seleção de uma velocidade do obturador adequada foi vital nesta sessão fotográfica. "O ciclismo de montanha é provavelmente um dos desportos mais rápidos que pode fotografar", afirma Jb. "As rodas estão a girar tão rapidamente que é difícil conseguir que os raios fiquem nítidos a velocidades do obturador inferiores a 1/800 seg. Se tiver luz suficiente, recomendo 1/1000 seg. no mínimo."

Definir uma velocidade do obturador tão rápida pode ser um problema quando os níveis de luz diminuem, mas utilizar uma objetiva "rápida" com uma grande abertura máxima, como a Canon RF 35mm F1.8 Macro IS STM, pode dar-lhe mais opções. "Poderá ter de ser flexível com a abertura e o ISO para obter uma boa exposição a uma velocidade de obturador elevada", explica Jb. "Por vezes, pode não querer fotografar com a abertura máxima em condições de pouca luz, porque pretende que o primeiro plano esteja um pouco menos desfocado. Neste caso, aumentar o ISO continua a permitir-lhe imobilizar a ação."

Apesar disso, o Jb recomenda manter o ISO o mais baixo possível para obter a melhor qualidade de imagem. Por isso, a Deborah começou com o ISO 100. "Depois, escolhi uma velocidade de obturador elevada", afirma. "E ajustei a abertura e o ISO para obter a exposição que pretendia."

4. Selecione o modo de focagem correto

O Embaixador da Canon Jean-baptiste Liautard ajoelhou-se na relva ao lado da Deborah, mostrando-lhe o ecrã de ângulo variável numa câmara Canon EOS RP.

A focagem automática combinada com o ecrã de ângulo variável da Canon EOS RP pode ser muito útil, pois facilita a captação de fotografias nítidas ao segurar a câmara em ângulos estranhos, como o Jb explica à Deborah.

Focar um atleta em movimento rápido é um dos principais desafios da fotografia de desporto. O Jb aconselha que, embora uma câmara com focagem automática rápida seja muitas vezes vital para captar ação, mudar para focagem manual pode proporcionar resultados consistentes quando se trata de uma acrobacia desportiva previsível e repetível.

"Quando conhece o desporto e sabe exatamente onde o ciclista vai estar no ponto mais alto da acrobacia, pode pré-focar manualmente a objetiva nesse ponto", afirma. "Para facilitar as coisas, peça-lhes para se posicionarem, abaixo do local onde será efetuada a acrobacia, depois amplie a imagem de visualização direta 10x, para poder focá-los com precisão." A distância focal da ação em relação à objetiva não deverá mudar se a câmara permanecer no mesmo ângulo e, por conseguinte, não afetará a focagem. No entanto, se a câmara for inclinada para cima, a distância de focagem muda e a focagem é reduzida se a profundidade de campo for suficientemente reduzida.

"Se a ação for imprevisível, como é o caso no ciclismo de montanha downhill, então, tiraria partido da focagem automática servo."

Deborah diz que precisou de várias tentativas para as suas fotografias ficarem nitidamente focadas, porque não estava familiarizada com esta técnica. "Antes da ação, defini a focagem automática num objeto à mesma distância e altura onde espera que Jéremy estivesse durante a acrobacia. Depois, mudei a objetiva para focagem manual para que não mudasse de posição", explica.

5. Crie a sua própria sorte

Uma jovem num campo de relva comprida, com um punhado de relva à frente da câmara, com duas figuras em bicicletas no topo de uma rampa à distância.

Transportar o seu próprio primeiro plano consigo dá-lhe a liberdade de fotografar a ação a partir do melhor ângulo.

Um ciclista de montanha a fazer um salto num dia de sol, com relva no primeiro plano da imagem.

Ao utilizar a objetiva Canon RF 35mm F1.8 Macro IS STM na sua abertura máxima de f/1.8, a relva proporciona um enquadramento suave para o salto de Jeremy. Tirada com uma Canon EOS RP a 1/4000 seg., f/1.8 e ISO 100. © Jean-baptiste Liautard

O Jb ensinou à Deborah a importância de tomar decisões rapidamente quando as coisas não estão a correr conforme planeado. "Expliquei que gosto de ter detalhes em primeiro plano, como ramos e folhas, nas minhas fotografias, porque acrescentam profundidade e uma qualidade tridimensional", afirma. "Havia alguma relva que queria fotografar, mas estava bastante baixa e uma cerca à frente dos saltos teria bloqueado a fotografia a partir do ângulo baixo. Para contornar esta situação, puxámos alguma relva para cima e segurámo-la em frente à objetiva."

Para a Deborah, esta foi uma técnica nova. "Utilizar relva ou árvores para ocultar detalhes que não queria na minha fotografia ou para criar uma melhor composição era algo tão óbvio, mas que nunca tinha tentado antes desta sessão fotográfica", explica. "O Jb disse-me para não hesitar em explorar todos os locais para encontrar o ângulo perfeito e para não planear «fazer batota» na edição, mas sim utilizar e modificar o ambiente tanto quanto for necessário antes de tirar a fotografia."

Felizmente, a Deborah saiu da sessão fotográfica com imagens fantásticas de desportos de ação, e esperamos que os conselhos do Jb também ajudem a tirar as suas fotografias de acrobacias.

Eleve a sua fotografia de ação para o nível seguinte com estas técnicas mais avançadas do Jb*.

* Disponível apenas em idiomas selecionados.



Escrito por Marcus Hawkins

Produtos relacionados

Artigos relacionados