TECNOLOGIA

APS-C vs. Full-Frame – explicação das diferenças

O que é uma câmara Full-Frame e qual é a diferença entre um sensor Full-Frame e um sensor APS-C? Eis as principais diferenças e pontos fortes de ambos os tipos.
Uma imagem dividida que mostra uma Canon EOS R6 numa grande rocha coberta de musgo e uma Canon EOS R7 também colocada sobre uma rocha.

Quais são as diferenças entre os modelos APS-C e Full-Frame?

A principal diferença entre modelos APS-C e Full-Frame é o tamanho físico do sensor de imagem. Os sensores das câmaras Full-Frame são maiores do que os sensores das câmaras APS-C, sendo que as restantes diferenças entre as câmaras estão relacionadas com este aspeto. Mas, como habitualmente, maior não é necessariamente melhor e cada formato tem as suas próprias vantagens.

A EOS R6 ao lado da EOS R7. Ambas as câmaras estão sem objetivas.

Observar estas duas câmaras do sistema EOS R sem objetivas faz a diferença para se perceber a diferença em termos do tamanho dos sensores. À esquerda, a EOS R6 Full-Frame; à direita, a EOS R7 APS-C. O encaixe da objetiva RF é idêntico em ambos os modelos.

Um sensor APS-C em frente a um sensor Full-Frame, percebendo-se os respetivos tamanhos.

Comparação entre um sensor Full-Frame e um sensor APS-C. A diferença de tamanhos ajuda a explicar porque é que as câmaras APS-C podem, muitas vezes, ser mais pequenas e compactas do que as câmaras Full-Frame.

O que é o APS-C?

A área ativa dos sensores de imagem de formato APS-C da Canon mede 22,2 x 14,8 mm, sendo parecida a um fotograma de filme fotográfico de formato APS-C.

O formato APS (Advanced Photo System) foi originalmente introduzido em 1996 como um novo tipo de filtro de filme fotográfico. Na maior parte das câmaras de vídeo atuais, também é possível escolher diferentes rácios de aspeto durante a gravação, incluindo C (Clássico) com o mesmo rácio de aspeto 3:2 das câmaras de película convencionais de 35 mm, H (Alta definição) com um formato de imagem panorâmico de 16x9 e P (Panorâmico) 3:1.

A APS-C também corresponde ao formato de vídeo Super 35 e tornou-se uma escolha popular em termos de tamanho do sensor de imagem para as câmaras Canon EOS SLR digitais (DSLR), bem como para as câmaras mirrorless da série EOS M.

Duas dançarinas de Flamenco com vestidos compridos com folhos a posar para a câmara num pátio colorido com vários arcos.

Normalmente, com a mesma abertura e distância focal, as câmaras APS-C como a Canon EOS R10 conferem uma maior profundidade de campo do que uma câmara Full-Frame. Isto é ideal para conseguir uma nitidez em toda a profundidade de uma imagem. Tirada com uma Canon EOS R10 com uma objetiva EF-S 10-18mm f/4.5-5.6 IS STM a 10 mm, 1/320 seg., f/5 e ISO 1600. © Diana Millos

Retrato de uma mulher jovem com cabelo escuro e comprido num fundo desfocado.

De forma característica, uma câmara Full-Frame com uma objetiva rápida produz uma profundidade de campo mais reduzida, permitindo isolar o motivo principal numa cena ao desfocar o fundo. Tirada com uma Canon EOS R6 com uma objetiva Canon RF 85mm F1.2L USM a 1/500 seg., f/1,8 e ISO 1600. © Javier Cortes

O que significa Full-Frame?

Os sensores de imagem Full-Frame da Canon têm uma área de superfície ativa de 36 x 24 mm, sendo do mesmo tamanho do fotograma de uma película de 35 mm.

O formato da película de 35 mm data de 1889, ano em que foi introduzida como largura padrão em termos de película de filme. Depressa tornou-se a norma em fotografia e foi utilizada em câmaras digitais Full-Frame, incluindo as câmaras mirrorless Canon EOS DSLR Full-Frame e sistemas EOS R.

Os sensores APS-C e Full-Frame produzem imagens com um rácio de aspeto padrão de 3:2 e os sensores APS-C podem ter o mesmo número de megapixels que os sensores Full-Frame. No entanto, um sensor de imagem Full-Frame é cerca de 63% ou 1,6x maior em termos físicos do que um sensor de imagem de formato APS-C.

Uma vista sobre a cidade de Sevilha com a torre da Igreja da Anunciação no meio.

O "fator de corte" de um sensor APS-C faz com que um motivo preencha mais o enquadramento, proporcionando um maior alcance à objetiva. Esta fotografia tirada na direção da Igreja da Anunciação em Sevilha foi tirada com uma câmara Full-Frame, uma Canon EOS RP com uma objetiva Canon RF 70-200mm F2.8 L IS USM a 84 mm, 1/400 seg., f/8 e ISO 200.

Uma vista sobre a cidade de Sevilha com a torre da Igreja da Anunciação mais perto do centro

Esta imagem foi tirada na mesma posição, utilizando a mesma objetiva, distância focal e definições mas com uma câmara APS-C. O sensor de menor dimensões capta uma secção mais pequena da cena, tendo o mesmo efeito de aumentar o zoom na torre. Tirada com uma Canon EOS R10 com uma objetiva Canon RF 70-200mm F2.8 L IS USM a 84 mm, 1/400 seg., f/8 e ISO 200.

Fator de corte explicado

Esta diferença no tamanho físico entre os dois tipos de sensores determina aquilo que a câmara "vê". Todas as objetivas produzem uma imagem circular, o que significa que uma objetiva Full-Frame compatível tem de dispor de uma circunferência suficientemente grande para que a imagem efetue a sobreposição dos cantos de um sensor de imagem Full-Frame retangular. Se utilizar a mesma objetiva numa câmara de formato APS-C, o sensor de imagem mais pequeno irá utilizar apenas uma área mais pequena no centro do mesmo círculo de imagem. Na realidade, em comparação com a imagem num sensor Full-Frame, a imagem será recortada.

Uma vez que os sensores APS-C nas câmaras Canon são 1,6 vezes mais pequenos do que os sensores nas câmaras Full-Frame da Canon, o "fator de corte" é de 1,6x. Isto significa que fotografar com uma objetiva standard de 50 mm numa câmara APS-C proporciona o mesmo campo de visão que fotografar com uma teleobjetiva de 80 mm numa câmara Full-Frame (50 x 1,6 = 80). Da mesma forma, a utilização de uma objetiva Full-Frame de 100 mm numa câmara APS-C proporciona o mesmo campo de visão que uma objetiva de 160 mm numa câmara Full-Frame. Por este motivo, por vezes, o fator de corte também é conhecido como "multiplicador da distância focal", indicando a distância focal efetiva da objetiva que está a utilizar.

Se pretender compreender melhor esta situação quando estiver a utilizar uma objetiva RF, EF, RF-S, EF-S ou EF-M numa câmara APS-C, pode utilizar a Calculadora da distância focal efetiva na aplicação Guia de Fotografia da Canon gratuita.

O fator de corte aplica-se a todas as objetivas Full-Frame utilizadas em câmaras de formato APS-C, incluindo as objetivas EF e RF. As objetivas EF podem ser utilizadas nas câmaras EOS R7 e EOS R10 com qualquer um dos adaptadores de montagem da gama EF-EOS R.

Uma grande massa de água rodeada por colinas e montanhas, em condições de pouca luz.

Vantagens do formato APS-C em comparação com o formato Full-Frame

Uma vez que os sensores APS-C são mais pequenos, as câmaras podem ser mais compactas e leves, sendo ideais para fotografia urbana ou de viagem. Uma vez que será necessário um círculo de imagem mais pequeno a partir de uma objetiva concebida para câmaras APS-C, a objetiva poderá ser mais pequena e leve e, consequentemente, mais acessível.

O fator de corte de um sensor APS-C faz com que os motivos mais pequenos ou mais distantes pareçam maiores no enquadramento, o que, na verdade, aumenta a distância focal efetiva de qualquer objetiva em 1,6x. Esta pode ser uma grande vantagem em géneros como a fotografia de vida selvagem e de ação e desporto. A utilização de uma objetiva económica mas de elevado desempenho, tal como a Canon EF 70-300mm f/4-5.6 IS II USM numa câmara APS-C, proporciona um alcance de zoom efetivo de 112-480 mm, fazendo desta uma superteleobjetiva. A objetiva RF 100-400mm F5.6-8 IS USM semelhante em termos de preço obtém um alcance focal efetivo de 160-640 mm numa câmara APS-C. Para obter o mesmo alcance numa câmara Full-Frame, irá precisar de uma objetiva maior, mais pesada e mais cara.

É possível cortar as imagens de uma câmara Full-Frame para criar o mesmo efeito mas a contagem de megapixels seria reduzida, pelo que as imagens resultantes seriam mais pequenas e, consequentemente, menos nítidas quando ampliadas de novo. A fotografia com uma câmara de formato APS-C também poupa tempo e esforço em termos de recorte manual das imagens durante a fase de edição.

Um mineiro a trabalhar no solo de uma mina pouco iluminada, com dois outros mineiros a olhar.

Os sensores de imagem Full-Frame são geralmente preferidos para fotografias com definições ISO elevadas, uma vez que dispõem de fotopontos maiores do que os sensores APS-C com o mesmo número de megapixels, o que significa que conseguem captar proporcionalmente mais luz com menos ruído. Esta fotografia foi tirada numa mina de carvão perto das luzes das lâmpadas usadas pelos mineiros, utilizando uma Canon EOS R Full-Frame com uma objetiva Canon RF 50mm F1.2L USM a 1/100 seg., f/2.0 e ISO 12800. © Daniel Etter

Uma paisagem urbana noturna que mostra edifícios altos com as luzes da rua refletidas numa poça de água em primeiro plano.

Mesmo assim, o ruído da imagem é facilmente controlado com a EOS R7 de 32,5 MP e na EOS R10 de 24,2 MP, que podem captar fotografias deslumbrantes com o mínimo de ruído em condições de muito pouca luz e com níveis de ISO muito elevados. Tirada com uma Canon EOS R10 com uma objetiva Canon RF-S 18-45mm F4.5-6.3 IS STM a 22mm, 1/40 seg., f/8 e ISO 25600.

Vantagens do formato Full-Frame em comparação com o APS-C.

Uma vez que os sensores Full-Frame têm um campo de visão mais amplo, as câmara Full-Frame são ideais para as paisagens vastas, interiores arquitetónicos em ultragrande angular, astrofotografia e para efeitos criativos quando se pretende exagerar a perspetiva entre as áreas em primeiro e segundo planos.

De uma forma geral, e em especial com aberturas maiores (números f inferiores), as câmaras Full-Frame conseguem produzir uma profundidade de campo mais limitada do que as câmaras APS-C, o que significa que uma pequena parte da imagem permanece focada enquanto o fundo fica desfocado. Muitas vezes, esta situação é ideal para fotografias de natureza morta e de retrato bem como para quaisquer outros cenários de fotografia em que o objetivo seja isolar o motivo principal e desfocar o fundo.

Uma outra vantagem dos sensores Full-Frame está diretamente relacionada com o seu tamanho superior. Sendo semelhantes em outros fatores, os fotopontos individuais ou recetores de luz num sensor de imagem Full-Frame serão fisicamente maiores do que num sensor APS-C com a mesma contagem de megapixels. Desta forma, têm um maior potencial de captação de luz e de informações, com menos ruído na imagem, especialmente com definições ISO elevadas em condições de pouca luz. Este é um excelente recurso para retratos no interior e fotografia de casamentos, bem como para fotografia sem tripé durante o crepúsculo, paisagens urbanas noturnas e em quaisquer outras situações onde seja necessário manter as velocidades do obturador suficientemente rápidas para congelar movimentos em cenas com pouca luz.

Uma Canon EOS R10 com a objetiva RF-S 18-150mm F3.5-6.3 IS STM no colo de uma mulher com um vestido amarelo vivo.

Com o seu design compacto e objetivas de zoom leves RF-S 18-45mm F4.5-6.3 IS STM e RF-S 18-150mm F3.5-6.3 IS STM, as câmaras EOS R10 e EOS R7 são excelentes para levar em viagens, tanto locais como por todo o mundo.

APS-C vs. Full-Frame

Por vezes, considera-se que as câmaras Full-Frame são mais "profissionais" do que as câmaras APS-C, e normalmente são mesmo maiores, tornando-as mais adequadas para utilização com teleobjetivas. No entanto, graças ao maior alcance que se pode obter com uma câmara APS-C, poderá nem ser preciso utilizar uma teleobjetiva tão grande. Os modelos APS-C poderão continuar a ser a melhor escolha para fotógrafos de viagens bem como para fotógrafos de desporto e vida selvagem que precisem de um potente alcance de teleobjetiva em conjunto com liberdade de movimentos.

Tal como a fotógrafa de vida selvagem Dani Connor comentou após a sua primeira sessão com a Canon EOS R7, "Permite-me aproximar do motivo sem ter de utilizar uma objetiva grande e pesada. É o tipo de câmara perfeito para fotógrafos de aves, uma vez que, muitas vezes, o motivo é bastante pequeno e encontra-se a uma grande distância."

As câmaras Full-Frame podem ser boas para fotografar paisagens em ultragrande angular mas, por outro lado, devido à profundidade de campo mais limitada, também poderá ser mais fácil conseguir uma nitidez em profundidade numa fotografia de paisagem utilizando uma câmara APS-C. Para além disso, apesar de as câmaras Full-Frame produzirem, normalmente, uma profundidade de campo mais reduzida e, como tal, poderem ajudar um motivo num retrato a destacar-se de um fundo desfocado, outros fatores como a abertura também têm a sua influência: as câmaras APS-C EOS R10 e EOS R7 irão funcionar bem em retratos com uma objetiva compacta como a Canon RF 50mm F1.8 STM, que dispõe de uma distância focal efetiva e ideal de 80 mm e uma abertura rápida f/1.8.

Uma Canon EOS R7 juntamente com três objetivas: RF 100-400mm F5.6-8 IS USM, RF-S 18-45mm F4.5-6.3 IS STM e RF-S 18-150mm F3.5-6.3 IS STM.

A objetiva RF 100-400mm F5.6-8 IS USM, aqui apresentada à esquerda, dispõe de uma distância focal efetiva de 160-640 mm nas câmaras EOS R10 e EOS R7. Caso utilizasse um Extensor Canon RF 1.4x ou um Extensor RF 2x numa câmara de sistema EOS R Full-Frame para obter um incremento semelhante em termos de alcance da teleobjetiva, iria perder um ou dois pontos de abertura, respetivamente, o que resultaria numa diminuição da velocidade do obturador, tornando mais difícil evitar a desfocagem causada pelo movimento e vibração da câmara. A RF-S 18-45mm F4.5-6.3 IS STM (no centro) fornece um alcance de focagem efetivo de 29-72 mm no equivalente a 35 mm, e a RF-S 18-150mm F3.5-6.3 IS STM (à direita) de 29-240 mm.

Objetivas RF vs. RF-S

Todas as câmaras do Sistema Canon EOS R, sejam elas de formato Full-Frame ou APS-C, são câmaras mirrorless exatamente com o mesmo encaixe avançado de objetivas RF. Isto significa que, caso opte pelas câmaras EOS R7 ou EOS R10, poderá tirar o máximo partido de toda a gama de excelentes objetivas RF. Para além das objetivas com tecnologias inovadoras de focagem e qualidade ótica, o suporte RF proporciona uma velocidade de transferência de dados e largura de banda extremamente superiores entre a objetiva e a câmara, o que permite uma aquisição e acompanhamento avançados de focagem automática com IA com velocidades e precisão incríveis, novos níveis de estabilização de imagem, otimização da objetiva em tempo real e muitas outras inovações.

Com a introdução das câmaras EOS R7 e EOS R10, também apareceram novas objetivas RF-S especialmente concebidas para câmaras com encaixe RF e sensores APS-C. O zoom standard da RF-S 18-45mm F4.5-6.3 IS STM, com um alcance de focagem efetivo de 29-72 mm no equivalente a 35 mm, é comparativamente pequeno em resultado do seu design retrátil, pesando apenas 130 g, enquanto a RF-S 18-150mm F3.5-6.3 IS STM proporciona uma amplitude de zoom ainda maior, com um alcance de focagem efetivo de 29-240 mm no equivalente a 35 mm e pesando apenas 310 g, tornando-a numa objetiva para fotografia de viagem extremamente versátil e concebida para o dia a dia.

Outras objetivas RF Full-Frame favoritas, compactas, leves e económicas incluem a Canon RF 16mm F2.8 STM, a qual combinada com as câmaras EOS R7 ou EOS R10 proporcionam um campo de visão generosamente amplo, equivalente a uma objetiva de 25,6 mm numa câmara Full-Frame. A objetiva Canon RF 35mm F1.8 MACRO IS STM funciona muito bem como objetiva de distância focal fixa, com uma distância focal efetiva de 56 mm na EOS R7 ou EOS R10, para além de estabilização de imagem ótica e um fator de ampliação macro de 0,5x. A Canon RF 50mm F1.8 STM é uma excelente objetiva para retratos, combinando uma distância focal efetiva de 80 mm numa câmara APS-C com uma abertura rápida de f/1.8 para uma profundidade de campo reduzida.

Também é possível utilizar uma grande variedade de objetivas EF e EF-S nas câmaras EOS R7 e EOS R10 sem perda de qualidade ou de funcionalidades graças à linha de adaptadores de montagem EF-EOS R.


Escrito por Matthew Richards

Produtos relacionados

Artigos relacionados

  • Uma mulher com um vestido de verão e chapéu segura a Canon EOS R10 junto ao rosto para olhar através do visor, diante de arquitetura espanhola detalhada.

    FOTOGRAFIA DE VIAGEM

    Uma visita à cidade de Sevilha com a EOS R10

    A blogger Diana Millos descobre por que razão esta câmara criativa é a companheira de viagem ideal.

  • TÉCNICAS DE LUZ

    Sugestões de fotografia em condições de pouca luz

    Descubra como fotografar em condições de pouca luz e o melhor kit Canon para a fotografia noturna.

  • FOTOGRAFIA DE VIAGEM

    O melhor kit para viajar

    Equipamento de fotografia de viagem para principiantes, criadores e entusiastas.

  • A river flowing through a landscape of mossy rocks.

    NOÇÕES BÁSICAS DE FOTOGRAFIA

    Aprenda a utilizar corretamente a exposição

    Descubra como ajustar a quantidade de luz nas suas imagens para alterar o aspeto das suas fotografias.